segunda-feira, abril 02, 2012

o cartaz da autoria de Yara Kono, escolhido para o Dia Internacional do Livro Infantil 2012.
Este ano a mensagem é assinada  pelo poeta mexicano Francisco Hinojosa e  intitula-se "Era uma vez um conto que contava o mundo inteiro".

"Era uma vez um conto que contava o mundo inteiro. Na verdade não era só um, mas muitos os contos que enchiam o mundo com as suas histórias de meninas desobedientes e lobos sedutores, de sapatinhos de cristal e príncipes apaixonados, de gatos astutos e soldadinhos de chumbo, de gigantes bonacheirões e fábricas de chocolate. Encheram o mundo de palavras, de inteligência, de imagens, de personagens extraordinárias. Permitiram risos, encantos e convívios. Carregaram-no de significado. E desde então os contos continuam a multiplicar-se para nos dizerem mil e uma vezes: “Era uma vez um conto que contava o mundo inteiro…”
Quando lemos, contamos ou ouvimos contos, cultivamos a imaginação, como se fosse necessário dar-lhe treino para a mantermos em forma. Um dia, sem que o saibamos certamente, uma dessas histórias entrará na nossa vida para arranjar soluções originais para os obstáculos que se nos coloquem no caminho.

Quando lemos, contamos ou ouvimos contos em voz alta, estamos a repetir um ritual muito antigo que cumpriu um papel fundamental na história da civilização: construir uma comunidade. À volta dos contos reuniram-se as culturas, as épocas e as gerações, para nos dizerem que japoneses, alemães e mexicanos são um só; como um só são os que viveram no século XVII e nós mesmos, que lemos um conto na Internet; e os avós, os pais e os filhos. Os contos chegam iguais aos seres humanos, apesar das nossas grandes diferenças, porque no fundo todos somos os seus protagonistas.

Ao contrário dos organismos vivos, que nascem, reproduzem-se e morrem, os contos são fecundos e imortais, em especial os da tradição oral, que se adequam às circunstâncias e ao contexto do momento em que são contados ou rescritos. E são contos que nos tornam seus autores quando os recontamos ou ouvimos.

E também era uma vez um país cheio de mitos, contos e lendas que viajaram durante séculos, de boca em boca, para mostrar a sua ideia de criação, para narrar a sua história, para oferecer a sua riqueza cultural, para aguçar a curiosidade e levar sorrisos aos lábios. Era igualmente um país onde poucos habitantes tinham acesso aos livros. Mas isso é uma história que já começou a mudar. Hoje os contos estão a chegar cada vez mais aos lugares distantes do meu país, o México. E, ao encontrarem os seus leitores, estão a cumprir o seu papel de criar comunidades, de criar famílias e de criar indivíduos com maior possibilidade de serem felizes."

(trad. Maria Carlos Loureiro)

 
 Divulgada em mais de 70 países pelo Conselho Internacional sobre Literatura para os Jovens (IBBY), do qual Portugal faz parte novamente desde 2011.
O cartaz em versão portuguesa...



O IBBY criou o Dia Internacional do Livro Infantil em 1967, em honra do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, cujo aniversário do nascimento é assinalado a 02 de abril.
Algumas imagens para comemorar este dia...

Ilustração  de Cyd Moore

 Ilustração d'Isabelle Arsenault

Ilustração  d'Helen Correll

Ilustração  de Ricardo Novillo

Para assinalar o dia... leia muitos livros infantis aos mais novos!

terça-feira, março 20, 2012

Chegou a primavera!!


Chegou a Primavera .... as andorinhas estão a chegar!!

imagem de Graham Franciose,
fonte: Pinzellades al món

quinta-feira, março 15, 2012

quinta-feira, março 08, 2012

Mulher...

No dia internacional da mulher aqui fica a nossa homenagem... em várias vertentes... na  música



Um mulher que eu admiro muito....



Na ilustração...


Ilustracão de Gáspar Támás


Ilustração de Hope Gangloff

Um escritora espanhol que adoro....


e... um poema ...

Gostei de ler...


"De um diálogo entre o consagrado escritor italiano Primo Levi (1918-1987) e um físico teórico, também italiano do Piemonte, Tullio Regge — famoso por razões bem diversas —, muitos poderiam recear um verdadeiro «diálogo de surdos». Sê-lo-ia, provavelmente, para duas personalidades escolhidas ao acaso de entre os cultores daquelas áreas. Mas Primo Levi e Tullio Regge, pela sua inteligência e bom senso, espírito criativo e abrangente curiosidade, podem ser considerados, qualquer deles, como dignos representantes das «duas culturas»." in De Rerum Natura, ler mais »»

quarta-feira, fevereiro 22, 2012

Fronteiras perdidas


trata-se de um livros de contos de José Eduardo Agualusa que se lê rapidamente e com muito entusiasmo.

" Um morto da guerra descansa numa caneca de leite, a meio da noite, em Luanda. Está um passageiro transformado em serpente no lavabo do avião. Um elevador, no Recife, foi desviado para Cuba por alturas do quarto andar. 0 sonho, o delírio, a vergonha, a fé, a pele, a memória, o feitiço, o nome -o ódio e a entrega - são territórios de exílio, e nessa condição, lugares de morança. Misturam-se com uma fluidez voraz: são «Fronteiras Perdidas», linhas de vida de outra maneira, um catálogo de paisagens oníricas. Histórias que não são visíveis mas são visitáveis. Este livro é um caminho para elas e encerra pequenas sabedorias. Por exemplo, a maior: não existem sítios, apenas posições. «Não há mais lugar de origem», diz um dos percursos. Ou então: um hotel em que alguém afirma que dormiu e que está abandonado há anos. E Placido Domingo contempla o rio, em Corumbá." in wook


Li com especial atenção o último conto "A noite em que prenderam o pai natal" uma vez que este conto era o ponto de partida para uma experiência na Biblioteca, no âmbito da Semana das Ciências e do projeto Newton gostava de ler. ver mais aqui »»

uma excelente leitura.... uma excelente atividade.

Os Homens que odeiam mulheres



fantástico!!!! A não perder.

Exposição na fundação C. Gulbenkian - Fernando Pessoa

A Fundação Calouste Gulbenkian abriu as suas portas com uma excelente  exposição sobre o poeta Fernando Pessoa e os seus heterónimos, intitulada «Fernando Pessoa, Plural como o Universo».
Esta exposição  resulta    de uma colaboração entre a Fundação Gulbenkian, a Fundação Roberto Marinho e o Museu da Língua Portuguesa de São Paulo.

Até 30 de abril,  será possível encontrar na sede da Fundação Gulbenkian  poemas, textos, documentos, fotografias e pintura sobre um dos poetas maiores da história da literatura portuguesa.


A não perder!!!

domingo, fevereiro 05, 2012

Estou a ler...



sinopse: " Leonor, Alcipe, condessa de Oeynhausen, marquesa de Alorna - nomes de uma mulher única e invulgarmente plural. Chamei-lhe Senhora do Mundo. Poderia ter-lhe chamado senhora dos mundos. Dos muitos mundos de que se fez senhora. Inconfundível entre as elites europeias pela sua personalidade forte e enorme devoção à cultura, desconcertou e deslumbrou o Portugal do séc. XVIII e XIX, onde ser mãe de oito filhos, católica, poetisa, política, instruída, inteligente e sedutora era uma absoluta raridade. Viveu uma vida intensa e dramática, mas jamais sucumbiu. Privou com reis e imperadores, filósofos e poetas, influenciou políticas, conheceu paixões ardentes, experimentou a opulência e a pobreza, a veneração e o exílio. Viu Lisboa e a infância desmoronarem-se no terramoto de 1755, passou dezoito anos atrás das grades de um convento por ordem do Marquês de Pombal e repartiu a vida, a curiosidade e os afectos por Lisboa, Porto, Paris, Viena, Avinhão, Marselha, Madrid e Londres. Marquesa de Alorna, Senhora do Mundo é uma história de amor à Liberdade e de amor a Portugal. A história de uma mulher apaixonada, rebelde, determinada e sonhadora que nunca desistiu de tentar ganhar asas em céus improváveis, como a estrela que, em pequena, via cruzar a noite."

ainda é cedo para tecer um comentário....


 O diário de Noticias, em Outubro de 2011 escreveu:
"A marquesa de Alorna, que literariamente assinava como Alcipe, sempre fascinou Maria João Lopo de Carvalho que decidiu escrever a sua história, num romance que traz a lume algumas cartas inéditas da poetisa."  Ler mais »»

terça-feira, janeiro 24, 2012